Cemitérios

Concentração de escorpiões em cemitério não é caso isolado

A EMDURB tomou conhecimento das reclamações de moradores da região do Cemitério do Redentor acerca da concentração de escorpiões na área. Também é de conhecimento desta Empresa Municipal que o problema decorre de uma série de fatores, tais quais a expansão urbana, o acúmulo de resíduos que permitem abrigo para esses animais, além da condição ecológica natural que os coloca como predadores das baratas, inseto comum à área urbana.

Dados da Secretaria Estadual de Saúde e do Instituto Butantan, da Universidade de São Paulo, pontuam que 75% dos acidentes envolvendo escorpiões ocorrem nas áreas urbanas e com prevalência acentuada nos meses de janeiro e fevereiro – que concentram 30% dos acidentes que ocorrem ao longo de todo o ano.

A EMDURB tem trabalhado com todos os dispositivos existentes para minimizar a concentração desses invertebrados nas regiões em que existem cemitérios de sua responsabilidade, realizando trimestralmente dedetizações preventivas para controle de pragas. A última dedetização ocorreu na segunda quinzena de janeiro, fato que ensejou a saída dos escorpiões de seus esconderijos. Além do controle periódico, a Diretoria responsável pela administração dos cemitérios tem avaliado outras formas de prevenção e combate de infestação destes animais.

Também deve-se ressaltar que o descarte irresponsável de resíduos residenciais, muitas vezes depositados no entorno do cemitério, é um dos grandes colaboradores para o aumento na população de escorpiões. Por isso, pedimos que a população não descarte nenhum tipo de resíduo, seja residencial, proveniente de poda ou da construção civil, em locais inadequados, a fim de colaborar com o controle de animais indesejados e com a destinação correta dos resíduos produzidos.